“Pouco passava das 03:30 (hora de Lisboa) quando foram ouvidas as primeiras explosões na capital da Ucrânia”. Era assim que começava o texto publicado no site da CNN Portugal que na manhã de 24 de fevereiro relatava os acontecimentos daquela madrugada: a Rússia tinha invadido a Ucrânia e havia uma guerra em curso. Desde esse momento, até quase ao final de março, o site da CNN Portugal esteve em breaking news, tal como a televisão. A cobertura foi feita ao longo das 24 horas do dia, todos os dias do mês.  Na equipa, alguns jornalistas foram destacados para trabalhar durante a madrugada, pois as informações sobre a guerra chegavam a toda a hora.

Desde 12 de fevereiro que tínhamos em curso uma operação – ao Minuto da Guerra - que fazia uma cobertura permanente da tensão que se vivia na Ucrânia. Até ao início de abril foram publicadas cerca de 6600 atualizações. Uma média de mais de 120 atualizações por dia de notícias, análises, opiniões, reportagens, enquadramentos. Entre os artigos mais lidos está um que explica porque Zelenky estava a lutar sozinho contra a Rússia e que tinha o título “NATO, ONU, EUA e UE. Ucrânia pede ajuda militar, mas ninguém intervém. Porquê?” ou outro que relata, em exclusivo, a história do primeiro português a desistir de combater como voluntário na Ucrânia.

No dia a dia a ligação com os canais de televisão e com os nossos repórteres no terreno era permanente.

Aliás, os vários enviados especiais da CNN à Ucrânia complementaram o seu trabalho televisivo com o envio regular de textos e fotografias para o digital, tendo sido publicados no site e nas redes sociais.

A par da atualização, da ligação com os repórteres no terreno e da elaboração de artigos exclusivos, houve sempre o cuidado de confirmar tudo. Nada era publicado sem certezas. A velocidade a que chegava a informação, seja através das redes, de vídeos ou outras fontes de informação obrigou a redobrar o rigor.

A informação sobre a guerra também nos levou a inovar: criámos um modelo de “emissão de televisão alternativa” - uma opção editorial e tecnológica, que até agora nunca tinha sido usada em Portugal, com vídeos TVI/CNN sobre a guerra em loop infinito, que podem ser vistos pelos utilizadores na homepage do site.

Apesar de a informação assentar sobre a guerra, a oferta do site do mês de março foi complementada com milhares de notícias de outros temas, como a subida dos preços dos combustíveis e da alimentação, a formação do novo governo ou a evolução da pandemia. O mês foi ainda marcado pelo relançamento do site TVI Notícias, que está ainda em desenvolvimento, e que pretende reforçar a afirmação da marca.

Esta cobertura contribuiu fortemente para acelerar o crescimento das audiências digitais do site da CNN Portugal, que teve mais de 17 milhões de visitas em março, um crescimento de 33% face ao mês anterior e de 54% em comparação com o mesmo mês de 2021 do então site da TVI24. Cada uma destas 17 milhões de visitas durou em média cerca de onze minutos e meio, valor muito elevado face a qualquer benchmark, e que revela lealdade e valorização pelos utilizadores.