“O sucesso da estreia do novo Big Brother, com uma dupla masculina na condução do programa, mostra-nos que este é um formato intemporal capaz de se reinventar. A ligação e a resposta do público são inequívocas. Estamos muito orgulhosos e prometemos continuar a surpreender." É assim que Cristina Ferreira, diretora de Entretenimento e Ficção da TVI, descreve o arranque da mais recente edição do reality show que liderou ao longo de quase toda a sua emissão, com uma audiência média de 1 milhão e 150 mil espetadores e uma quota de 30,4%. 

Com apresentação de Manuel Luís Goucha e Cláudio Ramos, o Big Brother 2021 teve mais 300 mil espetadores do que o seu concorrente direto no mesmo horário. "Estou muito contente com os resultados. São fruto do empenho e trabalho de uma equipa. Fico feliz que o público tenha percebido isso", afirma Cláudio Ramos.

Em noite de estreia, o reality show liderou nas faixas etárias até aos 75 anos, em todas as classes sociais e em todos os géneros. Manuel Luís Goucha sublinha aqueles que são os “ingredientes para convocar e divertir os espectadores”: “uma grande produção de televisão, uma casa surpreendente, feita de raiz, um grupo de concorrentes com vidas para partilhar e questões para colocar e debater - são eles o mais importante de um programa do género - e uma dupla de apresentadores inesperada e diferente”.

O pico máximo do programa foi atingido às 22h49, com uma audiência de 1.5 milhões de espetadores.