Segunda-feira, 25 de outubro. Ainda não são 09h00 e já diferentes elementos da equipa da CNN Portugal se reúnem, em azáfama, para preparar o arranque dos primeiros ensaios no estúdio da CNN Portugal. A iluminação, o posicionamento das câmaras e dos pivôs, a testagem dos microfones, o grafismo, a articulação entre o estúdio e a régie - tudo é ensaiado vezes sem conta. Falta menos de um mês para o lançamento do canal, que tem data de estreia a 22 de novembro, e não há tempo a perder. Tudo tem de ficar perfeito para criar o efeito “look and feel da CNN, agora em Portugal”, como nos diz Pedro Mourinho, da Direção da CNN Portugal, onde tem responsabilidades na área da programação, formatação e gestão do talento.

Atento aos detalhes e sempre muito próximo dos pivôs, Pedro Mourinho vai dando indicações para que, no final, sobressaia a identidade da CNN. “Temos profissionais de proveniências muito diferentes, com escolas diferentes, e é preciso cruzar o conhecimento e a experiência deles com uma nova forma de fazer televisão. Tem de se fazer uma aculturação ao melhor da CNN.” Acrescenta: “A ideia é ter sempre presente a marca, por isso é importante uniformizar a linguagem entre pivôs e repórteres. Não é o estúdio, é o estúdio da CNN Portugal. Não é o repórter, é o repórter da CNN Portugal.”

Tiago Brochado, coordenador de realização da CNN Portugal, também destaca a importância de cada ensaio para que a equipa técnica possa dar o seu melhor. “É um privilégio ter quase um mês de ensaios. A equipa está empenhada em chegar à perfeição. Há uma grande motivação, todos querem colocar a sua assinatura na abertura do canal. É um grande projeto e um projeto de vida para todos.”

Com mais de 20 anos de experiência como realizador, Tiago Brochado afirma que o seu papel como coordenador implica “formatar os vários realizadores para aquele que é o estilo CNN”. “Definir a cadência de cada programa é crucial. A CNN demarca-se exatamente pela sua fluidez. O ritmo é o mais importante.”

De acordo com Pedro Mourinho, após uma primeira fase dedicada aos ensaios técnicos, seguem-se os “ensaios em rede, que implicam a articulação com pivôs, régie, equipas de estúdio, repórteres e até convidados na medida do possível, visto que ainda não estamos no ar”.

Foto: Armanda Claro